A velocidade de um website realmente importa?

A resposta para a pergunta pode variar desde um enorme “não” até um estrondoso “sim” de acordo com o ponto de vista. Para o dono de um pequeno blog que o usa como um diário digital e possui poucos leitores, alguns segundos a mais de latência em suas páginas fará pouca ou nenhuma diferença. Seus leitores são assíduos e suportam sem muito pesar quando o site está lento pois o conteúdo é mais importante que qualquer tempo de espera. Neste cenário a resposta mais correta é: “a velocidade do site não é tão importante” (mas não se deve levar isso ao extremo). E para quem o tempo de resposta de um website é importante?

Para o restante dos websites é a resposta mais correta. Excluindo-se os websites pessoais e aqueles que possuem uma forte segmentação e um público assíduo e carente, os demais devem se preocupar com a velocidade de carregamento do site. Lojas de comércio eletrônico, portais de informação e serviços de todos os tipos, sejam governamentais ou privados, são os primeiros candidatos a terem em seus planos de negócios a redução do tempo de carga de sua presença na web. E por quê? Resposta: dinheiro.

Longe de ser um detalhe, a velocidade de carregamento do site impacta diretamente nos números de custo e faturamento de negócios na internet em diferentes frentes. Com a lentidão, perde-se anunciantes e conversões, além de aumentar a insatisfação de seus usuários e/ou consumidores. Para um simples teste, responda a pergunta: se existem duas lojas na internet que vendem o mesmo produto com o mesmo preço, qual o primeiro fator que vai levá-lo a comprar na loja A ao invés da loja B? Certamente o tempo de carga da loja A que é muito menor que da loja B pois, enquanto o site da loja B ainda está sendo carregando, o site da loja A já apresentou o produto, o valor e possivelmente você já está incluíndo-o no carrinho de compras.

Esta é uma pequena mostra da importância da otimização de performance, conhecido pelo acrônimo inglês WPO – Web Performance Optimization.

Você pode achar que o assunto sobre sites lentos está ultrapassado ou até mesmo que é dispensável devido o aumento das velocidades das conexões com a internet, mas velocidade importa muito não somente para a rede como um todo, mas também para o seu negócio e suas finanças.

É comum observar que tanto os profissionais de desenvolvimento quanto de design pouco se importam com o tempo de resposta dos websites que criam. Fala mais alto a beleza das cores e imagens ou o código carregado de efeitos especiais que muitas vezes são dispensáveis ou que poderiam, no mínimo, serem usados com mais eficiência. Além destes profissionais, o proprietário do website também “tem culpa” sobre a lentidão apresentada pois desconhece o quão impactante pode ser um site lento para sua marca ou negócio, exigindo os últimos efeitos e as últimas tendências de design que fatalmente reduzirão sua visibilidade.

Mais interessante é que a otimização ainda é pouco compreendida e pouco se dá valor a ela. Como o resultado do baixo tempo de resposta nem sempre é visto (exceto pela lentidão em si), é pouco compreensível a perda gerada por este problema que atinge o negócio, seja ele qual for, de diferentes formas e em diferentes escalas. Aqui você pode conhecer alguns dos pontos onde existem impactos diretos e quanto pode estar perdendo em termos financeiros com um site lento.

Infra-estrutura

Um dos elementos que compõem o custo para uma operação na internet é a infra-estrutura de rede e equipamentos para manter um website online. Hospedagem de sites e tráfego de rede geram custos que para boa parte dos usuários é pequeno mas para grandes operações ele representa uma gorda fatia do orçamento, sendo composto por equipamentos e peças sobressalentes até energia elétrica (para os equipamentos e sistemas de refrigeração) e pessoal capacitado para manter os serviços em funcionamento.

Para reduzir o tamanho desta fatia, basicamente é necessária a consolidação do parque de tecnologia existente com a redução de equipamentos que consequentemente reduzem os custos com peças, pessoal e energia. Mas esta nem sempre é uma tarefa fácil especialmente em serviços para internet. Grandes operações exigem infra-estrutura robusta que suporte picos de tráfego e que esteja disponível vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana.

Outro elemento que compõe a fatia de custo em infra-estrutura e que na maioria dos casos é maior que a própria estrutura física, é o tráfego de dados. Levar informações de um servidor até a máquina do usuário tem um custo elevado, representado pela capacidade dos links de conexão e pelo volume de tráfego entre as partes. Para fácil entendimento, pegue seu plano de telefonia celular e veja quanto custa um pacote com maior tráfego de internet. O valor poderá lhe assustar pois quase sempre é maior que o custo mensal do telefone em si. Aqui não existe mágica; se trafegar mais dados, mais pagará.

Diante deste cenário, o que fazer para reduzir custos de infra-estrutura, seja física ou lógica? Uma das opções é sem dúvida a otimização de performance de website. Para ilustrar, veja o exemplo da Netflix, empresa que fornece vídeo on-demand e hoje bem conhecida no Brasil.

A utilização de compactação de dados reduziu o tráfego de saída pela metade e o payload em 15x em alguns casos – Bill Scott, diretor de UX.

Em sua palestra no Velocity 2008 (pode ser obtida aqui), evento sobre otimização e performance que acontece todos os anos, Scott apresentou o caso do Netflix com dados relativos a melhoria de performance no navegador do usuário e também o quanto foi reduzido o tráfego em rede. Uma redução de 50% em tráfego diz duas coisas: é possível dobrar o número de usuários na mesma infra-estrutura ou reduzi-la pela metade e cortar custos. Isto foi o que aconteceu também com o Shopzilla.com, um dos maiores sites de comparação de preços do mundo que, em 2009, reduziu o número de servidores em 50% só com a otimização de seus websites, além de outras melhorias comentadas mais adiante.

Lição aprendida aqui: otimização impacta nos custos de propriedade (TCO) de infra-estrutura de forma significativa.

Mais acessos = mais vendas (ou não)

Negócios na internet vivem do que é chamado “conversão” (ou taxa de conversão), um número relacionado a determinada métrica que apresenta eficiência de alguma forma.

A “taxa de conversão” é basicamente o resultado daquilo esperado de um website ou de uma ação na internet, seja a venda de um produto, o download de um programa, o cadastro de um usuário, etc, variando para mais ou para menos de acordo com diferentes métricas que são usadas para obter esta taxa. Como exemplo, queremos descobrir qual a taxa de conversão numa loja virtual que recebe mil visitantes por mês e vende quinze produtos. Usando uma fórmula simples podemos obter este resultado:

taxa de conversao

Se temos 15 conversões para cada 1000 visitas, a taxa de conversão é então de 1.5%.

Então é possível acreditar que, tendo um número de visitas maior, é possível ter uma taxa de conversão maior pois ambos estão intimamente relacionados. É possível que sim mas existem diferentes fatores que modificam estes números, tais como uma promoção interessante, um produto extremamente desejado ou ainda condições especiais de aquisição (compre um, leve dois). Porém existem fatores que derrubam esta taxa de conversão, sendo um dos mais eficientes, a demora de carregamento de uma página.

É sabido que a taxa de abandono de um website (número de usuários que abandonam o site antes de seu carregamento total) está relacionada principalmente ao tempo gasto na espera das páginas. Quando um site é lento, o índice de usuários que o deixam em busca de outros sites é muito alto, impactando diretamente na taxa de conversão que não consegue se sustentar.

E o inverso é verdadeiro. Exemplos reais mostram que a redução no tempo de resposta de um website aumenta significativamente o número de conversões, gerando assim mais lucro e retorno para os negócios na internet. Alguns destes exemplos:

— O Shopzilla.com já comentado anteriormente, além de reduzir o custo com infra-estrutura pela metade, aumentou o número de vendas entre 5 a 12% com a otimização de seus websites. Para uma empresa que fatura cerca de 170 milhões de dólares anuais, isso representa em média 14 milhões de dólares na conta (link).

— Em 2010 a Mozilla Foundation realizou mudanças em suas páginas para a redução do tempo de carga. Com a redução de 2.2 segundos, o número de downloads aumentou em aproximadamente 15% (link).

Os dois exemplos acima mostram em diferentes cenários como o tempo de carga de uma página pode afetar os negócios, seja no download de um software, no tempo que um usuário está num site ou mesmo no número de vendas.

Lição aqui aprendida: otimização do tempo de resposta é sinônimo de aumento de vendas.

Retorno de investimento em SEO e campanhas de e-mail marketing

E já que está se falando sobre taxas de conversão, eis um dado interessante: 2.53% é a taxa para campanhas de e-mail marketing para e-commerce no Brasil. Mas em um site lento, quanto seria esta taxa? 1%? 0,5%? O número é ruim, tenha certeza.

Estima-se que para cada quatro pessoas visitando um website, uma abandona se o mesmo não carregar em até quatro segundos (link). Levando em consideração este número como verdadeiro, a taxa de conversão é reduzida em 1%. Para uma pequena loja que fatura 100 mil reais, a perda seria somente mil reais. Porém para uma empresa como a B2W (Americanas, Submarino, Shoptime, etc) que faturou no último ano R$ 5.4 bilhões, a perda seria de 54 milhões de reais. Com estes números é fácil entender qual o impacto da otimização de performance de websites.

Mas onde entra SEO e campanhas de e-mail marketing?

Campanhas de otimização de palavras-chave (SEO) e e-mail marketing servem para angrariar novos clientes para um produto ou serviço e possuem um custo que varia de acordo com a empresa que presta o serviço e qual o tipo de campanha desejada. Em qualquer situação o custo não é baixo e espera-se um bom retorno das mesmas, ou seja, que as campanhas atraiam consumidores.

Com um website mal otimizado em tempo de resposta, estas campanhas perdem a eficiência pois devem ser computados os abandonos relacionados com a má performance. Em resumo, gasta-se dinheiro numa campanha que pode ser eficiente em trazer novos clientes, mas devido a lentidão estes deixam de se tornar uma conversão real e vendas.

A velocidade importa

A redução do tempo de carga do website é a resposta para esta pergunta e velocidade importa muito na web (e sempre importou). Reduzir o tempo que as páginas levam para ser carregadas aumentam o ROI em marketing e as taxas de conversão além de baixar os gastos com servidores, links e administração.

Não são somente estes os benefícios existentes. Muitos outros são relacionados com cada um dos pontos apresentados e podem aumentar a conta a ser paga caso a otimização de performance não seja levada a sério, seja no início do desenvolvimento de um website ou mesmo naqueles que já estão online. Na internet, velocidade importa, e muito.

Se deseja saber mais sobre como reduzir perdas e aumentar seus ganhos na internet, entre em contato conosco clicando aqui.

Um comentário para “A velocidade de um website realmente importa?

  1. Comentário de Ben-Hur Olivera Morais em 11/11/2013 - 16:53

    Ótima matéria —

    E algo que sempre tenho como base ao apresentar um novo projeto a um cliente meu.. Tenho vários que fizeram seus sites com digamos sobrinhos e depois nos procuram apavorados — entre os muitos problemas analisados nestes sites de sobrinhos um dos problemas geralmente o mais gritante é o tema deste seu post..

    Parabéns

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito + 3 =

Post Navigation